Domingo, 17 de Outubro de 2021 12:01 84 98733 4107
Saúde Dentes

Prevenção odontológica em oncologia pediátrica

São vários os âmbitos envolvidos na saúde bucal das crianças, como a família, as políticas governamentais e o cirurgião dentista, que, em conjunto, buscam proporcionar saúde.

06/10/2021 18h22
35
Por: Adrovando Claro Fonte: Casa Durval Paiva
 Prevenção odontológica em oncologia pediátrica

Por Simone Norat Campos - Dentista Casa Durval Paiva - CRO/RN 1784

A higiene bucal é uma das melhores práticas para prevenção de doenças bucais. Sendo a escovação dental, a melhor forma para atingir uma boa higiene bucal. Recomenda-se que se escove, no mínimo, três vezes ao dia, após as três principais refeições e que as crianças façam visitas regulares ao dentista, de seis em seis meses, geralmente.

A cárie e doenças periodontais (da gengiva) são as afecções mais comuns encontradas na cavidade oral, levando a criança a perder, precocemente, os dentes, quando não tratados adequadamente.

São vários os âmbitos envolvidos na saúde bucal das crianças, como a família, as políticas governamentais e o cirurgião dentista, que, em conjunto, buscam proporcionar saúde. A odontologia voltada para a promoção de saúde bucal a uma população específica, como crianças com câncer, tem papel fundamental na saúde geral, objetivando a qualidade de vida das mesmas.

A terapia antineoplásica mais usada em crianças é a quimioterapia, que pode ser isolada ou associada à radioterapia, cirurgia ou transplante de medula óssea. Tanto a quimioterapia, como a radioterapia, não são seletivas, ou seja, não diferenciam as células neoplásicas das células normais, com isso, as complicações atingem um grau maior de gravidade.

A quimioterapia causa várias complicações e a cavidade oral é um dos principais locais atingidos. É importantíssimo a presença do cirurgião dentista na equipe interdisciplinar, na internação hospitalar e na UTI, caso a doença se agrave. As principais complicações são: mucosite, alteração do paladar, xerostomia (boca seca), sangramento gengival, devido a plaquetopenia (diminuição do número de plaquetas), e imunodepressão (baixa imunidade), possibilitando infecções dentárias ou oportunistas (herpes vírus).

O serviço de oncologia pediátrica da Casa Durval Paiva tem em sua trajetória algumas centenas de crianças tratadas e oferece assistência odontológica, bem como acompanhamento clínico às crianças e adolescentes hospitalizados na enfermaria da Policlínica e, também, no consultório odontológico, na própria instituição.

O atendimento odontológico se inicia desde a admissão do paciente no hospital, assim que ele é diagnosticado e já se planeja, junto à equipe médica, seu tratamento dentário. O atendimento é realizado no leito, orientando as famílias sobre a importância da saúde bucal, alimentação e possíveis efeitos colaterais, que podem ocorrer em decorrência da terapêutica antineoplásica. 

A prevenção odontológica das crianças e adolescentes com câncer acontece da seguinte forma: orientando-se a forma correta de escovação, que deve ser realizada após cada refeição, escova e creme dental adequados, demonstração da escovação por parte do paciente e, nos casos de bebês, pela mãe ou outro acompanhante, aplicação de flúor e visitas regulares ao dentista, geralmente, de três em três meses.

O ideal é que todo tratamento odontológico seja realizado pré-quimioterapia e/ ou pré-radioterapia de cabeça e pescoço, contudo, nem sempre isso é possível, como nos casos de leucemia, quando os pacientes já chegam com sua imunidade baixa, sendo postergado entre uma sessão e outra de quimioterapia. Nos outros casos, como nos tumores ósseos, enquanto o paciente está realizando exames de imagens complementares, para programar seu protocolo médico, este é encaminhado para o consultório odontológico da instituição, onde vai ser realizado todo o preparo de boca, ou seja, remover todos os focos infecciosos, que possam vir a comprometer sua vida, durante a imunodepressão.

Antes da radioterapia, o ideal é realizar extração dentária nos dentes impossibilitados de se manter na cavidade oral, para prevenção da osteorradionecrose ou necrose óssea, onde o osso fica com mais dificuldade de cicatrização.

Outro atendimento oferecido pelo serviço odontológico é a prevenção com o laser terapêutico ou laser de baixa potência, que é diferente do laser usado em cirurgias.  Este é indolor, bem aceito pelos pacientes e de baixo custo. Quando o paciente inicia a quimioterapia, é realizada a laserprofilaxia, para prevenção da mucosite (inflamação da mucosa), durante todos os dias da quimioterapia. A mucosite debilita bastante o paciente, pois causa muita dor, dificuldade na fala, na deglutição e mastigação, podendo interromper, temporariamente, o protocolo de quimioterapia.

A prevenção odontológica, também, acontece na classe hospitalar da Policlínica e na classe domiciliar, através do “Projeto Educação e Sorriso”. Nele, são realizadas atividades lúdicas, como teatro de fantoches, atividades xerografadas, trabalho de colagem, recorte e pinturas, apresentação de filmes, tudo relacionado à promoção da saúde bucal, com o objetivo de tornar o paciente mais próximo do dentista e fazer com que ele entenda a importância da saúde bucal para sua saúde.

  

Ele1 - Criar site de notícias